O AMOR AO PRÓXIMO é a essência do SER MÉDICO

19/10/2018 às 15:37

O AMOR AO PRÓXIMO é a essência do SER MÉDICO

Confira nosso manifesto em homenagem ao Dia do Médico escrito pelo professor Alberto Arbex, Coordenador da Pós-Graduação em Endocrinologia IPEMED

Todos os dias me faço a mesma pergunta: o que é ser médico? É ajudar a quem está doente? Ou apenas isto não é suficiente? Seria então prevenir doenças e esclarecer à população? Bem, isto ainda não abrange tudo. Quando pensa em seu médico, quais ideias lhe vêm à mente? Você imagina o quanto ele estudou para seguir a profissão ou pondera sobre como ele deixa a própria família para priorizar o paciente? Ou, ainda, ocorre simplesmente que ele está bem de vida?

Bem, digo que ser médico é ser impaciente. É não aceitar que a vida tem um limite. É não querer que a doença faça seu paciente sofrer. É priorizar a vida do outro e seus valores pessoais, acima dos próprios valores. É respeitar os amplos espectros da vida e admirá-los em sua diversidade. É admirar a força da vida.

Ser médico é ficar até tarde no trabalho e ter a sensação do dever cumprido. É salvar vidas, todos os dias. É buscar tornar a vida do outro MELHOR. Para isso, não há horários, não há limites, não há fronteiras.

O AMOR AO PRÓXIMO é a essência do SER MÉDICO.

Quando se escolhe exercer a Medicina, esta escolha vem junto a um amor profundo pelo ser humano. Uma dedicação intensa ao aprendizado que visa salvar vidas. Uma opção por estudar e aprender todos os dias, pelo resto de nossas vidas, focando em como tornar melhor o atendimento ao paciente que nos busca.

Depois que toda a família já se deitou, seguimos estudando, lendo, nos atualizando. A Medicina é uma ciência em constante mudança, em atualização contínua. Os tratamentos são melhorados e modificados. Nos últimos 100 anos conseguimos, através das melhores evidências científicas disponíveis, modificar todo o espectro do cuidado à saúde, reduzindo a mortalidade humana, elevando a qualidade de vida das pessoas, aumentando a expectativa de vida.

Para a população, isto significa VIVER MAIS E MELHOR.

Para o Médico, isto traz consigo uma necessidade de contínua atualização, de leituras científicas frequentes, de presença em congressos médicos e discussões sobre as melhores práticas clínicas com os colegas. A responsabilidade aumenta. A satisfação de estarmos fazendo o tratamento mais correto, através da ciência, também se eleva. Ser médico, então, torna-se ser três pessoas em uma: um cientista, um professor e um amigo.

Quem sou eu, médico? Eu vivo para você. Sou o seu médico, todos os dias da minha vida – e não apenas hoje.

LUTAR PELA VIDA É A MINHA ESSÊNCIA.

Por Professor Alberto Arbex